# 15 - Lagartas e borboletas


Após algumas longas semanas sem postar, o vento soprou novamente!
Desde o domingo monstruoso com Tito, até hoje, muitas águas rolaram.

Irei explicar alguns eventos que aconteceram, alguns tem dúvidas e questionamentos.

Agradeço a atenção e cuidado de todos! De todo o meu coração!

Eu estou bem! Firme na rocha! Troquei de igreja pois tinha que trocar. Não estou desativando o blog, e nem estou namorando também, não ainda! hehe o futuro a Deus pertence hehehe

vou aproveitar para atualizar, em breve, a sessão de cartas!

Preguei na A.D Nova Jerusalém num dia conturbado (veremos abaixo) e de refrigério do Senhor em algumas almas. Amigos de lugares distantes compareceram e podem comprovar como foi uma noite gostosa.

Estive novamente na clínica Manaim, em Seropédica, em um dia de churrasco, boa música e comunhão edificante. Pude pregar a palavra com liberdade e alegria como todos sabem que amo fazer!

Nesse meio tempo cumpriram-se duas profecias que foram lançadas sobre minha vida. E a verdade é que ainda estão se cumprindo.

Por duas vezes, em um mês, eu ouvi servos de Deus dizendo palavras proféticas para mim. “Deus estará colocando sua vida de cabeça para baixo! Mas não se preocupe Ele está te transformando de lagarta encasulada em uma linda borboleta”. Mudança radical era o cerne da mensagem dita por eles.

Tendo em vista a criação pentecostal que tive, realmente eu não gostei do termo “borboleta”. Eu sempre ouvi esse termo sendo usado pejorativamente para caricaturar irmãos que vivem “voando” de igreja em igreja, sem nunca congregar muito tempo em nenhuma. Realmente não conseguia entender o que estava sendo dito.

Depois destas duas profecias ditas em locais, dias, ambientes e por profetas diferentes, minha vida realmente começou a ser fortemente abalada. De maneira que se não fossem essas duas profecias, eu poderia cometer o erro que Jó não cometeu. Sentir-me amaldiçoado atribuindo ao diabo à autoria daquilo que Deus estava operando.

Pois mesmo sendo o diabo quem tocou em tudo que jó tinha, ele somente o fez por permissão de Deus. E como Deus nada faz por fazer e nada permite por permitir, ele tinha um propósito no que deixou o diabo fazer. De sorte que Jó já entendia que até o diabo trabalha em obediência à soberania de Deus e que “Deus deu e Deus tirou”, compreendendo ainda que “tudo coopera para o bem daqueles amam a Deus”.

Nos espírito de Jó, eu me guardei firme, nos anúncios dos profetas. Eu pude imaginar o que sentia o povo quando ouvia os profetas dizendo algo como “Eis que virão dias em que tudo quanto houver em tua casa, e o que ajuntaram teus pais até hoje, será levado para a babilônia; não ficará coisa alguma, disse o Senhor” (Isaías 39:6).

De lá para cá, minhas expectativas de aumento salarial se foram por completo. Meus irmãos e companheiros de trabalho acabaram deixando-me sozinho no serviço, sem ter com quem compartilhar o labor do dia a dia. (Aleluia! Eles foram para firmas melhores, mas na ótica pessoal das consequências em minha vida, foi uma perda).

Eu vi meu chão sumir. Mas não entendia que isso acontecia porque Deus estava me levando para o galho mais alto de uma árvore, a fim de encasular-me.

De lá para cá, eu conheci mais profundamente uma tentação que Jesus passou no deserto. O “tudo isso te darei se prostrado me adorares” me chegou ao ouvido como “tudo isso podes ter se calado se curvares aos poderosos”.


Fui forçado por minha consciência e fé a mudar de denominação, indo parar na denominação mais criticada por mim em toda minha vida, pois como todo bom pentecostal, eu criticava e julgava as igrejas históricas como frias e sem poder de Deus. Confirmando o ditado que diz que o peixe morre pela boca e o conselho que diz para nunca dizer nunca e nem que desta água jamais beberás.

Eu vi tudo ficar escuro como noite sem lua. Mas não entendia que isso acontecia porque Deus estava tecendo os fios de meu casulo, que pouco a pouco me privariam de ver qualquer coisa.

De lá para cá, eu vi gente que estando longe parecia mais próximo de mim do que todos os meus vizinhos e vi gente que estando tanto tempo em meu coração, parecia mais longe do que nunca. Vi a antiga e linda borboleta da floresta cor-de-rosa, ir ficando cinza e sendo ofuscada pela lagarta, que ia virando borboleta escarlate e carmesim na selva de pedra. Quem tem ouvidos que ouça e quem tem discernimento que entenda.

Agradeço a Deus por todas as confusões românticas do coração que tive e as pérolas que minhas incursões mineradoras revelaram ao escavar os sentimentos confusos de minha alma. Muitas foram minhas desilusões, enganos, livramentos e dúvidas que tive. Mas eu consegui em meio às pedras que escavei na pedreira de meu ser, encontrar um Jaspe bruto a ser lapidada para ser jóia rara nas mãos de Deus e uma ágata valiosa que sempre me fez ver em seu brilho, a luz que um amigo pode trazer na hora da angustia e a esperança que só o amor pode manter viva!

Eu me assustei ao olhar pra mim mesmo e ao não me reconhecer. Mas não entendia que isso acontecia porque Deus estava mudando minha anatomia e colocando em mim asas, lindas asas!

E para finalizar esse relato sobre o tempo do casulo, eu menciono que, de lá para cá, eu sofri retaliação e perseguição vindo de dentro da “igreja”, de gente “anônima”. Uma experiência horrível! Nunca pensei que seria vitimado como o fui. Ligações “anônimas”, acusações caluniosas, Medo de uns, soberba de outros e juízos infelizes sobre mim acabaram me afastando de uma obra de amor, amizade e cumplicidade que fazia a mais de dois anos com pessoas que a “igreja” detesta ter em suas fileiras, PECADORES.

Realmente uma pena! Dois anos do meu suor naquela obra para ser descartado como um peão em um jogo de xadrez. Mas o que me confortou foi que isso também era cumprimento da profecia! E a certeza de que no Senhor, meu trabalho não foi em vão, continuarei firme, constante e abundante! (1Co 15:58)

“Acautelai-vos, porém, dos homens; porque eles vos entregarão aos tribunais, e vos açoitarão nas suas sinagogas” (Mt10:17).

Jesus avisou que assim seria e Paulo declarou como devemos entender isso sob o prisma do evangelho.

“Porque para mim tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não podem ser comparados a gloria que há de se revelar em nós” (Rm 8:18)


Eu realmente não sei quem fez a tal ligação, mas sei que foi Deus quem abriu aquela porta e somente ele a poderá fechar! Isso me ensinou o que quero transmitir claramente até o final deste texto.

Eu não preciso saber o nome de quem fez a minha “caveira”, pois mesmo sem se anunciar já se revela sua identidade, mas me regozijo, posto que suas obras também cooperam para o meu bem, como cooperaram para o bem de Jó!

A eles julgo não eu, mas aquele a quem tudo vê e cujos aos olhos nada está encoberto. Seja Deus juiz entre os filhos da livre e seus perseguidores, os filhos da escrava (Gl 4:28-29). Quanto a mim, pregarei o evangelho enquanto tiver tempo e deixarei o julgamento para quem o pode fazer.

Não cometerei o mesmo erro deles e não me esquecerei de que Jesus disse que eles julgam pela carne, mas eu a ninguém deverei julgar (Jo 8:15). Sempre tenho em mente que o que quero que os homens me façam, eu devo fazer a eles primeiro, (Mt 7:12) nunca esquecendo que o filho do homem não veio julgar, mas salvar (Jo 12:47) e que o que acusa e mente não é nascido de Deus (Jo 10:10), mas deve por mim, ser perdoado assim como eu também o fui por Deus (Lc 11:4).

As profecias me fizeram sentir o que sentia o povo quando era anunciada alguma noticia ruim por seus profetas, mas também me fez sentir algo bom. Eu pude vislumbrar um relance da esperança daqueles que ouviram “Eis que chegarão dias, diz o Senhor, em que firmarei nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá” (Hb 8:8).

A profecia sempre tem dois lados, o lado do juízo e o da misericórdia. De maneira que sem um “se” toda profecia de juízo se torna obsoleta quiçá maligna. Eu realmente pude entender que Deus me tiraria do casulo de prisões e me faria ser como uma livre borboleta!

Por que fazem o caminho parecer mais estreito do que é? E por que dificultam tanto a vida dos que sinceramente querem caminhar pelo novo e vivo caminho? Por que ainda existem cegos querendo guiar cegos? Porque existem lagartas que não querem ser borboletas para voar?

Eu quero ser gente boa de Deus! Breve será a queda dos sistemas e regras de homens na vida dos pequeninos de Jesus, pois vivemos o tempo em que o pai está buscando os sinceros andarilhos que adoram-andando em espírito e em verdade!


Tudo tem mudado em minha vida e só Deus sabe mais o que virá pela frente, mas a grande lição é que:

“Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”. (Rm 8:28)


Desejo graça sobre graça e mais que superabundante graça para todos os que mesmo sem ouvir as profecias que eu ouvi, podem se apropriar delas pela fé. E nEle que é o oleiro dos que humildemente se vêem como barro, podem se-transformar-sendo-transformados em lindas borboletas que irão voar livres e belas!

Minha oração é para que você entenda de uma vez por todas que tudo coopera para o seu bem! E mesmo que algum caçador de borboletas te prenda e lhe coloque numa coleção de borboletas empalhadas, você ainda assim, será expressão da beleza que somente as asas da liberdade podem expressar......


Seja livre! Vale a pena! Foi para isso que Ele morreu na cruz!

Amém

  1. gravatar

    # by Douglas - 21 de setembro de 2007 11:42

    Pow, fico feliz por saber q vc tem crescido... é verdade, como vc disse, td profecia tem um lado bom e outro ruim (aos nossos olhos), mas podemos sempre ter a certeza de que mesmo qndo parece difícil e as pessoas dizem que é impossível, qndo penso: "naum vou conseguir!", dá vontade de parar e desistir, obedecer a Deus é sempre o melhor, pois Ele é fiel e cumpre o que diz!! Eu vou obedecer... obedecer a Deus é sempre o melhor, pois Ele é fiel e cumpre o que diz!!
    Tenho certeza disso...
    aprendo mto ctgo, sua vida, seu testemunho, me abençoam...
    assim, desejo a ti q dia após dia vc saiba confiar nas promessas do Pai, afinal... elas nunk falham, né?! Somos prova disso...
    abraço! Douglas