# 29 - Minha mãe e a Graça de Deus



Certa vez estava eu em um culto batista e meus pais estavam presentes.

Eu havia pregado uma palavra sobre o amor de Deus e logo após o fim da mesma, o dirigente do culto continuou com a programação pré-estabelecida. Até que em um dado momento ele fez o tradicional apelo: Quem gostaria de aceitar Jesus levante a mão.


Eu acho totalmente herética a idéia de aceitar Jesus. Os discípulos sempre falaram em confessar Jesus, mas nunca em o aceitar, querendo ou não, aceitando ou não, Ele é!. Os apóstolos sabiam que não foram eles que escolheram Jesus, mas sim o contrário e sabiam também que ninguém iria até cristo se não fosse encaminhado pelo pai. Mesmo crendo assim, eu fiz vista grossa, afinal, meus pais estavam ali e eu desejava muito que eles "aceitassem" Jesus.


Mesmo crendo que graça de Deus age livremente entre os povos, é difícil conceber a idéia de alguém ser de Deus sem falar "eu aceito jesus". Por um segundo eu surtei e me rendi à teologia das aparências e visibilidades. Ao pé do ouvido, sussurrei à minha mãe: Mãe! Você não quer aceitar Jesus? A resposta de minha mãe nunca sairá de minha cabeça.


"Quem disse que eu não tenho ele em meu coração?

Só porque eu não sou da igreja você acha que eu não tenho Jesus?"


O que eu poderia fazer diante disto? Apenas curvei minha cabeça e ri dentro de mim e comecei a gargalhar comigo mesmo. Jesus mais uma vez me pegando e a graça novamente me sacudindo a cabeça. Eu sou aquele que vem pregando um amor e uma graça livres de dogmas, e que agora se via como um tolo após uma bela surra que levara da sua própria fé em sua consciência. Num desejo intenso de ter certeza de que meus pais são salvos, eu quis saciar minhas duvidas e angústias submetendo-os às aparências da religião e à uma fé de levantar mão e falar em voz alta, ainda que não se tenha levantado nenhuma nova criatura dentro daquele que levanta a mão.


Realmente é dificílimo aceitar que Deus opera como quer, onde quer e sem pedir autorização para ninguém.


Eu que creio em índios, esquimós, beduínos, pigmeus e aborígines sendo salvos pela graça de Deus não consegui acreditar que meus pais também o seriam se não se manifestassem durante o culto. Esse evento me faz pensar em alguns textos interessantes da bíblia sagrada. Passarei a mostrá-los agora e a elaborar perguntas em cima deles, para que venhamos a refletir sobre salvação.

Vamos pensar agora, afinal, pensar não dói!


"Enoque andou com Deus; e não apareceu mais, porquanto Deus o tomou para si."
(Gn 5:24)

Enoque viveu num tempo anterior a Abraão, ele foi o sétimo depois de Adão. Como pôde Enoque andar com Deus em tamanha intimidade ao ponto de ser tomado por ele, sem ser conhecedor da religião?

Num período onde não havia religião, dogmas, doutrinas, palavra de Deus revelada, Leis divinas nem outros aparatos religiosos que temos hoje, Como poderia Enoque andar com Deus e ser amigo dele como nenhum de nós é?


"se não poupou ao mundo antigo, embora preservasse a Noé, pregador da justiça, com mais sete pessoas, ao trazer o dilúvio sobre o mundo dos ímpios;"

(2º Pe 2:5)

Pedro ao falar sobre o juízo de Deus, faz uma citação curiosa. Noé é chamado de Pregador da Justiça. Como pôde Noé ser pregador da Justiça num tempo onde não havia lei nem justiça?

Num período onde não havia religião, dogmas, doutrinas, palavra de Deus revelada, Leis divinas nem outros aparatos religiosos que temos hoje, como poderia Noé pregar a Justiça? Como ele conhecia a Justiça? De onde vinha a convicção de que pregava Justiça?


"Havia um homem na terra de Uz, cujo nome era Jó. Era homem íntegro e reto, que temia a Deus e se desviava do mal."
(Jó 1:1)

Segundo os historiadores, Jó era Árabe e viveu num período entre os patriarcas e Moisés. Seu costume de oferecer sacrifícios pelos pecados da família e a total ausência de referências à lei mosaica no livro, são dois dos vários argumentos dos historiadores.

Como pôde Jó ser íntegro, reto e temente à Deus sem que houvesse ao menos algo escrito sobre Deus?
Num período onde não havia religião, dogmas, doutrinas, palavra de Deus revelada, Leis divinas nem outros aparatos religiosos que temos hoje, como poderia Jó ser um santo que levou o próprio Deus a debater com Satanás?


Enoque, Noé, Jó foram homens sinceros e santos mesmo sem nenhum conhecimento ou contato com a "religião verdadeira".

Como poderiam esses homens andar com Deus, serem amigos dEle, pregadores da justiça, retos, íntegros, tementes e que se desviam do mal, sem nenhum conhecimento de Deus e nenhuma religião?

Pensando nessas questões e lembrando da declaração da minha mãe, eu cheguei a uma conclusão simples, direta, dura e difícil de ser digerida pela religião.

"Ao Senhor pertence a salvação"

(Jn 2:9)

Uma vez que a salvação pertence a Deus e não a igreja, cristianismo ou qualquer teologia sistemática fica difícil saber quem é salvo ou não. Exatamente por isso, Jesus manda que não percamos tempo tentando saber quem é joio e quem é trigo. É por isso que Paulo nos diz para não perdemos tempo tentando adivinhar quem subiu aos céus ou quem desceu ao inferno.


Ao concluir que a salvação é obra de Deus e que ele faz o que quer e como lhe apraz, eu tentava entender, mesmo sem pleno conhecimento da justiça de Deus, nem de seus métodos, pois somente ele é justo e seus métodos e caminhos são maiores que os meus, como, podemos ter total certeza sobre a salvação e seu alcance, como devo eu viver então?


eu cheguei a uma segunda conclusão igualmente simples, direta, dura e difícil de ser digerida pela religião:


"No evangelho é revelada, de fé em fé, a justiça de Deus, como está escrito: Mas o justo viverá da fé."
(Rm 1:17)


Neste momento, tanto a declaração da minha mãe como o testemunho de Enoque,Noé e Jó fazem total sentido.

Embora seja realmente dificil crer que alguém seja salvo sem andar por aí falando "eu amo jesus" ou sem colar adesivos nas janelas dos carros ou usando camisetas com o nome de Jesus, eu tenho de assumir que a Salvação pertence a Deus e ele a expande como deseja, cabendo assim a mim, portanto, apenas crer e viver por fé no amor dEle.


"Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem.
Porque por ela os antigos alcançaram bom testemunho. Pela fé entendemos que os mundos foram criados pela palavra de Deus; de modo que o visível não foi feito daquilo que se vê.

Pela fé Abel ofereceu a Deus mais excelente sacrifício que Caim, pelo qual alcançou testemunho de que era justo, dando Deus testemunho das suas oferendas, e por meio dela depois de morto, ainda fala. Pela fé Enoque foi trasladado para não ver a morte; e não foi achado, porque Deus o trasladara; pois antes da sua trasladação alcançou testemunho de que agradara a Deus."

Ora, sem fé é impossível agradar a Deus; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam. Pela fé Noé, divinamente avisado das coisas que ainda não se viam, sendo temente a Deus, preparou uma arca para o salvamento da sua família; e por esta fé condenou o mundo, e tornou-se herdeiro da justiça que é segundo a fé."

(Hb 11: 1-7)

Realmente é pela fé, minha gente, que tudo acontece!

Não porque a fé move montanhas, mas sim porque nada podemos fazer para que Deus venha a salvar-nos, afinal nada de bom recebemos se do alto não nos for dado. Não existem barganhas a serem feitas com Deus, pois ele é o senhor, criador e dono de tudo e de todos!

O que podemos dizer de Abraão que pela fé foi justificado?

Sim! Pela fé, pois creu contra a esperança, creu de todo o coração e não andava por esse mundo tentando descobrir quem era de Deus ou não. Quando ele encontrou Melquisedeque, prontamente dizimou ao sumo-sacerdote. Dizimou antes da lei dos dízimos existir e entregou-o a um sumo-sacerdote que sem religião e sem doutrinas já era sumo-sacerdote.

Como podemos argumentar diante tal mistério? Como podemos?

A salvação vem pela fé em Deus, no seu amor, pela conscientização de nossa culpa e de nossos pecados. O arrependimento manifesta a bondade de Deus, e a fé nasce assim em nossos corações e isso não depende de nada alem de Deus. Afinal, a fé vem por ouvir a palavra de Deus, e o como posso eu argumentar com Deus se ele desejar pregar sua palavra de outras multiformes maneiras?

"Depois destas coisas olhei, e eis uma grande multidão, que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, que estavam em pé diante do trono e em presença do Cordeiro, trajando compridas vestes brancas, e com palmas nas mãos; e clamavam com grande voz: Salvação ao nosso Deus, que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro."
(Ap 7:9-10)


Mediante a todas essas coisas eu cheguei a uma terceira conclusão que é ainda mais simples, direta, dura e difícil de ser digerida pela religião:


Cabe a cada um de nós, apenas não julgar ninguém como salvo ou perdido, mas amar a Deus, viver por fé e ser gente boa de Deus na terra dos viventes, gozando a vida em paz.

Fiquem com Deus, o único que sabe quem é quem e quem é ou não dEle, pois somente ele subiu aos céus e desceu às profundezas do abismo.


Abraço forte


PEP

em 17/12/07

  1. gravatar

    # by Thiago Mendanha - 20 de abril de 2009 21:00

    Brother, já coloquei seu banner...

    Cara, parabéns pelo blog. Excelente!

    abraços