# 44 - Quando o sagrado é contra o Santo



E entrou Jesus no templo de Deus em Jerusalém, e expulsou todos os que vendiam e compravam no templo, e derrubou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas; e disse-lhes: Está escrito: A minha casa será chamada casa de oração; mas vós a tendes convertido em covil de ladrões.”
Mateus 21

conforme relato de Mateus, quando Jesus entrou no templo em Jerusalém o que ele vira fora uma depravação total do sentido original do porque da existência do templo. O que existia no templo era armação ao invés de Oração! Ladrões ao invés de fiéis! Oportunistas ao invés de gente boa de Deus.

O templo sempre foi visto como lugar sagrado e ainda hoje as pessoas tem esta idÉia sobre o prédio da igreja. Dentro da igreja, dizem, não se pode fazer uma série de coisas e o comportamento de quase todo mundo é de reverência, pois estão no prédio santo. Quanto aos que governam a igreja é dada uma reverência e obediência apavorante que nem a Jesus se oferece!

Quando Jesus foi ao templo de Jerusalém a história foi bem diferente da de hoje em dia e o tratamento que ele dava aos do templo também.

A partir do capitulo 21 até o final do 23, Jesus faz uma série de discursos pesados contra o povo do templo: Escribas e Fariseus. As referências bíblicas de Jesus dentro do templo não dão respaldo para o comportamento atual dos crentes. Pelo contrario! Segundo Jesus, os verdadeiros adoradores eram encontrados mais facilemnte fora do templo do que dentro dele e os que regiam o templo e que eram os mais devotados a ele ,eram os últimos no reino de Deus perdendo até mesmo para meretrizes e publicanos sinceros!


O templo é dito sagrado pelo homem, mas Deus é Santo!
O sacerdote é consagrado pelo homem, mas o Espírito é Santo!
O que os homens fazem se consagra, mas Jesus Cristo é O Santo!


O povo tem mania de tornar coisas sagradas, seja o prédio da igreja, sejam certos dias da semana ou até mesmo as pessoas que lideram a igreja. Se algo é tornado em sagrado é sinal de que não é Santo por si só, porque o que é Santo, sempre o foi e sempre o será! Nós consagramos as coisas, mas Deus faz as coisas santas antes delas existirem! Nós consagramos pastores aos 20 anos, mas Deus santifica profetas antes de entrarem no ventre de suas mães!

O problema da consagração dos homens é que a maioria das pessoas se deixa levar por essas noções de sagrado e então passam a pensar que se forem na reunião sagrada, no dia sagrado e no lugar sagrado estarão tendo uma vida com Deus e sentir-se-ão também sagradas. Todavia o Santo está longe delas, pois o verdadeiro filho de Deus não é o que toma parte nas coisas sagradas, mas sim o que se rende ao Santo e vive a se deixar Santificar por ele e não vive a consagrar-se nos ritos, dogmas, doutrinas, morais, éticas e costumes sagrados pelos homens, pois isso tudo não tem poder contra a sedução do pecado, mas somente o poder do Espírito de Deus, que é Santo sem ser consagrado por ninguém!

Consagrar é um verbo, uma atitude, uma obra a se fazer. Consagrado é o objeto do verbo, o alvo de quem consagra, o beneficiado pela atitude de consagrar, mas Santo é Deus, santo é o que Deus santifica, pois só o Santo pode santificar alguma coisa. Deus não santifica prédios, dias da semana, horários do dia, livros, roupas nem coisa nenhuma que não seja feita de carne e sangue à sua imagem e semelhança. Santo é o que Deus santifica e não o que nós dizemos que é consagrado à ele.


O templo dos homens é consagrado por eles, o templo de Deus somos nós santificados nele.
O templo dos homens não sobe aos céus, o templo de Deus acolhe o Senhor dos céus dentro de si.
O templo dos homens é dito casa de Deus, mas o Deus Santo diz que nós somos a morada dele.
O templo dos homens se torna covil de salteadores, mas o templo de Deus é cheio do espírito santo.


Quando Jesus sai do templo de Jerusalém ele chora por ver a cidade santa se perder no sagrado. A ênfase na tradição sagrada e nas coisas sagradas pela religião era tão grande que não permitiu que eles notassem, respeitassem, cressem, adorassem, nem muito menos honrassem ao Santo filho de Deus que passeava entre eles.

Quando nossa mente está presa as coisas sagradas corremos o serio e grande risco de deixar passar desapercebida a presença do que é verdadeiramente Santo. Por se apegar ao que é dito sagrado, muitas pessoas não ouviram aos santos profetas não-consagrados e se renderam às mentiras dos lobos vestidos de sacerdotes e falsos profetas consagrados!

Atenção! Nem tudo que é consagrado e visto como sagrado é santo!

Para Deus, santo é o homem e nosso cuidado dever ser por eles, afinal o mandamento é para amar a Deus sobre tudo e aos homens como a nós mesmos! Por isso diante de Deus só é visto como consagrado aquilo que ele mesmo fez santo. Bem-aventurado o homem que consegue consagrar o que já vem santo, pois consagrar o que não é santo é tentar fazer do diabo um Deus.

A ordenação ministerial, o batismo nas águas, o casamento cerimonial e a santa ceia não são ritos santos, mas são manifestações sagradas por e para nós, e que somente tem valor para Deus quando realmente manifestam o que é santo no coração das pessoas.


Um falso obreiro é consagrado ao ministério pelos homens, mas é abominado por Deus!
Um falso crente batizado é consagrado pelos homens, mas ainda está perdido para Deus!
Um casamento sem amor é sagrado para os homens, mas desgraçadamente maldito para Deus!
Um pão e suco de uva são sagrados para os homens, mas só pela fé sincera são aceitos por Deus!


O que pretendo dizer com isso tudo é que precisamos abrir nossos olhos para ver o Santo e não nos determos as nossas concepções de sagrado, pois nós sagramos para nós o que queremos, mas Deus santifica o que ele quer! Se para mim os cultos de domingo são tão sagrados que eu nunca me permitiria faltar a um, ainda que a vida de uma pessoa dependesse disso, que santidade haveria nisso? Se isso é ser sagrado, prefiro ser profano. O bom samaritano viu o Santo caído na estrada, mas o sacerdote e o levita só pensavam nos sagrados afazeres que tinham que realizar no sagrado templo.

Nossas reuniões, cultos, confraternizações, congressos, retiros, festividades, vigílias, evangelismos e escolas bíblicas são muito úteis, proveitosas, abençoadas e edificantes, mas se tornam em desgraça quando nos impossibilitam de ver o SANTO DEUS na criação ao nosso redor, e principalmente naquilo que nós não reputamos como sagrado.


Jesus diz que quando damos comida aos famintos, abrigo aos desabrigados, cuidados aos doentes, agasalho aos carentes, ajuda aos necessitados e graça ao desgraçados, estamos fazendo isso tudo a ele mesmo! Jesus Cristo está dizendo claramente que com amor, até o que não é sagrado e consagrado para nós e por nós, é visto como santo por nosso Santo Deus, o santificador das coisas que não são sagradas, o que escolhe as coisas que não são para confundir as que são.


Participe de todos os eventos, reuniões e ajuntamentos que sua congregação de irmãos realizar, mas não deposite nessas coisas a sua sanidade espiritual e não pense que são estas coisas que determinam a santidade de alguém. Esteja aberto ao agir de Deus, para que possais ver o Santo dos Santos no que seja sagrado para você, como as coisas da igreja, e também no que não seja visto como sagrado para você, como as coisas corriqueiras da vida cotidiana e as pessoas que cruzam o seu caminho.

Lembre-se que naquele dia Jesus dirá “Não conheço vocês!” para muitos condenados que dirão: assustados “Como não Senhor ? Nós profetizamos, curamos, fizemos coisas sagradas, construímos templos sagrados, levantamos ministérios sagrados e vivemos para o sagrado, tudo em teu nome! Como não nos conhece ?”


Cuidado! Tudo o que se faz em nome do Santo, tem que ter a ver com o Santo e não com o que dizemos sagrado! Santo é Deus, santo é o homem, santa é a vida e não as coisas materiais e rotinas costumeiras de nossas igrejas.



Santo não é o domingo, mas sim a pessoa que precisa de nossa ajuda também no domingo


Santo não é o culto, mas o irmão ao nosso lado que precisa de uma palavra de consolo


Santo não é o dizimo, mas a obra que precisa ser feita conforme o Santo Jesus a fazia


Santo não é o templo, mas os que nele se ajuntam para adorar e congregar


Santo não é o ministério pastoral, mas sim o irmão de carne e sangue que foi ordenado


Santo não é o rito do batismo, casamento ou ceia, mas sim o significado deles no nosso coração


Santo não é dizer “em nome de Jesus”, mas sim viver a vida conforme o dono no nome a viveu


Santo não é falar de Deus, mas sim levar o amor de Deus aos necessitados, evangelizando no amor


Santo não é a oração, mas sim o coração sincero de quem ora a Deus com fé e confiança


Santo não é o livro Bíblia, mas sim a palavra contida nele que revela o amor de Deus em Jesus Cristo


Santo não é a denominação evangélica, mas sim o ajuntamento de pessoas sinceras em torno de jesus


Santo não é a pessoa que foge do mundo, mas sim a que vive a vida em fé e amor em meio ao mundo


Santo não é o que nos sagramos e consagramos como santo, mas sim aquilo que Deus diz que é Santo pois ele mesmo o fez ser e conforme Genesis, em assim fazendo viu que tudo isso era muito bom!

Se o templo de israel que fora erguido para adoração de Deus se corrompeu em covil de ladinagem e malandragem, cuidemo-nos de que não sejamos nós também transformados em hipócritas fariseus! Se o templo sagrado virou profano, os que nele viviam eram profanos também. Sendo assim, santificado seja não o templo, mas nossos corações e santa seja a nossa vida e não nosso prédio. Consagrem-se a si mesmos, pois nisto deus se alegrará, afinal vóis sois os seus santos, e por já serem santos nele, fazem bem em consagrarem-se conscientemente a ele!

Todavia Isso só acontecerá efetivamente quando deixarmos de ver as coisas como sagradas e profanas e passarmos a ver as pessoas como amadas por Deus e o mundo como sua criação. Assim sendo, todas as coisas criadas, todos os eventos, ritos e obras serão meros instrumentos a serem usados em favor da Santa obra de Deus, para alegrar o Santo Deus, no resgate dos seus amados que continuam perdidos.

Fiquem com Deus, o único que é Santo e que só se alegra no que dizemos sagrado se o que for sagrado para nós, possuir o amor, fé, misericórdia, graça e o aroma de Cristo que é o único que é Santo para ele.


PEP

  1. gravatar

    # by bruno - 18 de outubro de 2009 18:42

    muito boa a mensagem ...
    DEUS CONTINUE TE USANDO IRMÃO!
    ESTAMOS NA MESMA ESTRADA //
    AVANTEEEE !!! A PAZ DE JESUS!